/*cookies*/ /*em personalizar-avançadas-css tem mais partes. Bolachas/

domingo, 15 de abril de 2018

Tag: Life Ruiners (shipps)

Hey hey! Está um belo dia para publicar uma tag atrasada várioooooos meses, não concordam comigo?
Entãoo, vejamos, quem me nomeou para esta tag foi a linda da Popuri do blog Polyrhythm
Se quiserem ver as respostas dela à tag, está aqui a postagem: www
Regras:- Dar créditos ao Forever Sapo por traduzir a tag do tumblr
- Repassar a pelo menos 3 pessoas
- É possível escolher entre dar respostas curtas ou elaborá-las
Quanto à repassagem, eu não sei muito bem a quem deva passar, mas aqui vai:
- Nat do blog Nasetet
- Hye do blog MnK
- Joana do blog Chá de Papel
- Bunny do blog Animes Espetaculares
- Quem quiser!
(se já tiverem feito esta tag anteriormente, ou se não tiverem interesse nessa tag, peço desculpa, okay?)


quarta-feira, 11 de abril de 2018

Livro: O Diário de Anne Frank - graphic novel

[isto não é uma resenha]
Hoje em dia, encontramos filmes e livros diversos que nos dão testemunhos do passado, podendo ser baseados em ideias da imaginação, ou verídicas. Pessoalmente, não desvalorizando as histórias imaginadas, quando sei que há algures uma história baseada em factos verídicos, o meu interesse aumenta exponencialmente.
O Diário de Anne Frank é um exemplo de uma obra que eu desejava ler há muito tempo, mas que nunca me atrevi a fazê-lo. Talvez por receio, por saber que a realidade expressa é dura, por saber que era esta a realidade de uma criança inocente, por saber que um diário é um confidente intimamente pessoal e privado... Talvez esse adiamento também possa ter sido por preguiça, por comodidade, por falta de extrema vontade/necessidade. Seja por que razão for, a verdade é que, até um certo ponto da minha vida, não fui capaz de buscar conhecimentos a respeito deste diário tão conhecido.
Gosto de visitar livrarias. Apesar de, atualmente, raramente comprar livros - a maioria dos que li são requisitados em bibliotecas ou oferecidos por familiares -, aprecio estar rodeada por eles (isto é um pouco estranho, não é?), mesmo que nunca os vá ler por inteiro, gosto de os folhear, ver as suas capas, ler sinopses e algumas páginas ao acaso. 
Foi numa destas ocasiões que me deparei pela primeira vez com esta novela gráfica (estilo banda desenhada) "O Diário de Anne Frank", autoria de Ari Folman David Polonsky

quinta-feira, 5 de abril de 2018

Contigo

Saio de casa sem saber para onde ir
A rotina está à espera e eu ainda a dormir
De pés no chão, com a cabeça na Lua
Fico a pensar no amor que no presente perdura


Que tipo de ideia foi a tua
Quando apareceste e tudo de mim conquistaste
Ou que tipo de ideia foi a minha
Quando tudo de mim te dei?



segunda-feira, 2 de abril de 2018

Boa Páscoa + Novo Layout


Primeiramente, quero desejar uma Boa Páscoa a todos! (apesar de já estar atrasada... okay tanto faz, o que importa é a intenção)
Receberam muitos chocolates e amêndoas? Como foi o vosso dia?
Eu cá estive com a família (especialmente durante a tarde), com muita comidinha e amor após uma manhã cheia de crises

♦ ♦ ♦

Ora, agora, tenho um anúncio para fazer.....
Como já devem ter reparado, temos algumas mudanças por aqui... *tambores*
Trururururuuuu~~!
NOVO LAYOUT PARA NÓIS
E desta vez a protagonista é.........:
Kanan Matsuura (Aqours - Love Live Sunshine)
idolhell again


sábado, 17 de março de 2018

App: Calm Harm

Olá brilhantes e brilhantinas!
Quero apresentar-vos uma app que instalei há vários meses: Calm Harm.


Como é possível perceber pelo nome, a aplicação Calm Harm (em português a tradução não é clara mas seria algo como "acalmar ferimentos") visa dar apoio a jovens que sentem vontade de fazer/fazem mal a si próprios de diversas maneiras, nomeadamente infligir-se propositadamente ou praticar automutilação. Muitos destes jovens sofrem de problemas sérios, como, por exemplo, a depressão. Estas pessoas necessitam de ajuda exterior e profissional, mas grande parte não busca por apoio (ou é impossibilitada de o ter); isola-se cada vez mais e perde o rumo. Em casos extremos, estes indivíduos podem até cometer suícidio.


domingo, 25 de fevereiro de 2018

I got the sun and the moon all over me

I wish I could count the stars
I wish I could just fly away
Have you ever felt like you dream was real?
Have you ever felt like your life was your worst nightmare?
I got the sun and the moon all over me
Watching my steps from the sky where all the lights lay down
Do you also see them?
The stars are so distant but they look like they are here with me
People are gone but they keep in my heart
I keep seeing them night and day
They will never fade
As long as they stay still
inside myself

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Montanha desordenada de peças perdidas e soltas

O vento leva os cabelos e as folhas das árvores. Despenteia, tira-me a visão. As pessoas que passam devem pensar: "que rapariga descuidada, nem ajeita o cabelo". Mas gosto desta sensação, não quero saber (na verdade, talvez queira um pouco...). Uma parte de mim condena-me por determinadas atitudes. A outra parte ignora - ignora e é feliz por si só. Porém, nós somos um todo. Ainda que uma esteja feliz, a outra continuará atormentada. E eu sou claramente a mistura de todas elas, sou constituída por diferentes divisões que estão conjugadas num inteiro. Não diria que seja semelhante a um puzzle que se completa ao encaixar as peças umas nas outras - é mais parecido com uma montanha desordenada de peças perdidas e soltas. Sinto que o meu eu é tal e qual um emaranhado de equações impossíveis sem conjunto de solução, um caso de codominância de características que se expressam de igual forma, uma mixórdia heterogénea onde todas as substâncias se evidenciam, formas psicológicas contrárias entre si, valores e ideais opostos e incompatíveis que coexistem com incerteza e confusão. Tudo isto em mim. Tudo isto, eu.