/*cookies*/ /*em personalizar-avançadas-css tem mais partes. Bolachas/

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Pesadamente leve

Desculpa pelas inúmeras mensagens, perdi um pouco a noção do que estou a fazer. Se pensar nisso, começo a imaginar a tua reação ou o que pensas a meio respeito, e surgem respostas negativas na minha mente (o que já está a acontecer). Provavelmente consideras-me uma criança estúpida que nem te compreende, que está para aqui a falar coisas superficiais sem significado, como se soubesse muito e infelizmente não o sabe. Honestamente, no teu íntimo julgarás que não te estou a ajudar minimamente - nem que se determinasse a derivada da função H(x) para descobrir o seu mínimo, e assim perceber que a minha ação é inferior à solução (H de Help - ajuda). Certamente acharás isso, mas vais ocultá-lo simpaticamente para não me fazeres sentir mal ou não me preocupares mais (sim, claro, como se o que mais te preocupasse fosse o facto de eu ficar mal.... No fundo, aposto que ninguém se importa). São três da manhã e realmente perdi a noção do que faço, penso ou digo. Na verdade não digo nada, porque estou a escrevê-lo - com os dedos, não com a boca. O sono deixa-me levar, cansada, mas o cérebro não repousa. Estou preocupada, por isso mando mensagem, por mais ridículo que seja. Outra mensagem, nova mensagem, mais uma... É por estares adormecida que me abro tanto, me torno um livro aberto. Se a tua reação chegasse agora, eu perderia a coragem para continuar, porque o pânico seria o presente. Desta forma, posso remoer e remoer pensamentos, até que finalmente me seja possível adormecer. Mas posso preocupar-me com isso depois. Amanhã. Tudo o que tiver a dizer, digo-o agora. Se tiver arrependimentos, arrepender-me-ei amanhã, hoje não (apesar de conseguir sentir arrependimento agora. Já estou arrependida?). Enfim, deixá-lo-ei para amanhã. A tormenta virá comigo amanhã. Ou hoje, visto que são três e meia da manhã e já o novo dia começou.
Quatro da manhã e aparentemente acordaste do teu sono. É a minha vez de ir dormir... Envergonhada com um sorriso no rosto, porque afinal não tiveste uma reação negativa. Pelo menos, foi isso que demonstraste. Deveria ter me contido nas palavras? Terei exagerado? Será que foste verdadeira comigo? Não sei. Contudo, o que está feito, feito está. Já não importa, porque já passou. Será mesmo assim? Não sei. Não sei, não sei. E os olhos vão cerrando... O sonho bate à porta... O pesadelo assiste a tudo, num canto da mente... Tudo se torna pesadamente leve... 
Boa noite.

Sem comentários:

Enviar um comentário

A sua opinião é sempre importante! ^-^